Fórmula 1: regime faz muito bem a saúde e a carreira

Fórmula 1: regime faz muito bem a saúde e a carreira

Marcus-Ericsson-Caterham-CT051
Bom, em todas as modalidades esportivas, excesso de peso num é legal. Imagine, então, na Fórmula 1, onde todo milésimo de peso faz diferença? E, imagine então, um piloto acima do peso ideal? Este é o caso do sueco Marcus Ericsson, que chegou agora na categoria contratado pela equipe malaia Caterham e que vai ter que passar por um regiminho bem levinho. O problema de Ericsson está ligado às mudanças no peso mínimo dos atuais carros, uma das alterações no regulamento de 2014. Assim, a Caterham necessita que seu piloto perca peso para tornar mais fácil a adaptação do carro ao número de quilos pretendido.

Tony Fervnandez e seu trio de pilotos de peso

Tony Fervnandez e seu trio de pilotos de peso


Marcus Ericsson mede 1,80 cm e pesa 69 quilos. A sua dieta, revela a Eurosport sueca, será programada por uma clínica italiana especialista em casos semelhantes. “Não me deram um peso exato, mas vou perder o que for possível, garantindo que posso continuar a correr durante duas horas”, explicou o piloto de 23 anos. “Durante as corridas a temperatura é bem elevada e há muita força G. É impossível ser um magricelo. Não comerei hambúrgueres no almoço e jantar, mas tenho de comer, porque treino duro todos os dias”, conclui o gordinho sueco.

Sem Comentários

Insira um Comentário