Mercado internacional instável não freia investimentos da Cummins

Mercado internacional instável não freia investimentos da Cummins

Logo
A CumminsInc., maior fabricante independente de motores Diesel e componentes do mundo, fechou o ano de 2013 com faturamento bruto de US$ 17,3 bilhões, cifra idêntica ao de 2012. Mesmo em condições adversas no ano passado, com registros de recessão na Índia, queda na China e o mercado brasileiro sem corresponder às expectativas previstas, a Cummins Inc. manteve o faturamento e continua investindo tanto no País como no restante do mundo, apostando no futuro e anuncia a fabricação local dos motores ISF 2.8 e 3.8 litros.
ISF 3.8 +  SCR
Do total de US$ 17,3 bilhões de faturamento bruto, a unidade de Negócios de Motores respondeu por 47%, seguida por Componentes 21%, Distribuição 18% e geração de energia por 14%. Com plantas industriais nos seis continentes, aCummins Inc. manteve, em 2013, cerca de 48 mil empregos diretos em mais de 190 países e territórios onde comercializa seus motores, sistemas e componentes.
Na América do Sul, a fabricante de motores e componentes  alcançou vendas de US$ 1,6 bilhão [incluindo joint-ventures regionais], montante similar ao alcançado em 2012. Sem considerar as joint-ventures, a Cummins Inc. obteve receita bruta de US$ 1,28bilhão.
Apesar das adversidades macroeconômicas, 2013 foi o terceiro melhor ano da história da Cummins Inc. Em 2011, o faturamento global foi de US$ 18 bilhões. E em 2012 e em 2013, de US$ 17,3 bilhões. “Esse cenário de sucesso e solidez financeira corporativa repercute positivamente em nossa região, pois ampara nossos planos locais de investimentos”, analisa Luis Afonso Pasquotto, presidente da Cummins América do Sul e vice-presidente da Cummins Inc.
Luis A. Pasquotto02
Em relação ao volume de produção de motores destinados a todos os segmentos daempresa, incluindo agricultura, ônibus, construção civil, geração de energia, marítimo e caminhões, a Cummins no Brasil elevou de 58.739 unidades em 2012 para 69.722 motores fabricados em 2013, ou seja, um crescimento de 18,6%.
Na produção de caminhões no Brasil, a Cummins atingiu liderança com 27% dos motores ou 50.289 unidades produzidos neste segmento em 2013. Em relação aos emplacamentos atingiu 25% dos motores utilizados, com 38.876 unidades vendidas no mercado por meio de seus clientes.
No mercado de ônibus, na produção a Cummins alcançou 13% de participação no Brasil com 5.050 unidades produzidas. Enquanto em relação a unidades emplacadas nomercado total, essa participação foi elevada a 16%, com vendas de 5.201 motores em um mercado total de 32.766  ônibus e chassis  de 2013.
Segundo Pasquotto, a reorganização da Cummins para a América do Sul, anunciada há dois anos, buscava maior competitividade e excelência no atendimento aos clientes na região, o que vem sendo atingido por meio de  iniciativas como o desenvolvimento de uma nova  estratégia da cadeia de suprimentos (supply chain) e a integração entre as operações nos vários países do continente (pessoas e ativos).
Com o sucesso do lançamento desta família de motores de 2.8 e 3.8 litros em suas versões Euro 5, a Cummins decidiu, no ano passado, por focar seus objetivos de curto prazo em oportunidades de crescimento e expansão. Com investimento total de US$ 14 milhões até 2015, a Cummins anuncia o início da produção do motor ISF em sua fábrica no Brasil, localizada em Guarulhos (SP), a partir do último trimestre deste ano.
O aumento da demanda e maior alinhamento às regras dos programas Inovar-Auto e Finame são as principais considerações da fabricante para o início da produção local. Bem sucedidos por aqui, os motores ISF 2.8 e 3.8, que atualmente sãoimportados da China e finalizados no País, ganharão assim maior conteúdo local para possibilitar que os clientes da empresa obtenham os benefícios oferecidos pelo índice de nacionalização.
 
Ao atender aos segmentos de ônibus, comerciais leves e caminhões leves e semi-leves, a Cummins visualiza para a família ISF um mercado com potencial de produção no Brasil de mais de 50 mil motores, para cada um dos modelos. Na estratégia da empresa, o início da produção do ISF 3.8 está previsto para o final de 2014, já a versão 2.8 deve ser introduzida na linha de montagem a partir de outubro de 2015. A estimativa é ter um volume total já no primeiro ano de 22.500 unidades para o ISF 3.8.
Os engenheiros do Centro Técnico da Cummins no Brasil e seus colegas chineses,europeus e americanos adaptaram os novos motores para as características específicas dos mercados sul-americanos. Vale ressaltar que a arquitetura e a tecnologia  dos novos motores permitirão o atendimento de futuras legislações de emissões como a Euro 6.
Desenvolvimento para os mercados globais continua sendo foco e prioridade da empresa, a exemplo da plataforma Série G, apresentado no Brasil durante a Fenatran no ano passado. Trata-se de uma inovação no mercado em termos de potência e baixo peso (860quilos) para caminhões acima de 45 toneladas e chega para definir um novo padrão de plataforma global de motores pesados.
A nova plataforma segue o conceito de produto projetado para atender a uma ampla variedade de exigências do mercado Diesel mundial e as normas de emissões vigentes e futuras. Sua produção, inicialmente em Pequim, na China, deve começar a partir do primeiro semestre deste ano, na versão seis cilindros em linha de 11,8 litros.
Para o mercado automotivo de motores pesados, a plataforma Série G foi apresentada como Cummins ISG12, com potência de até 510 hp, em um pacote compacto e leve. O motor está disponível para atender às diversas normas internacionais em requisitos de emissões – Euro 5, Euro 6, EPA 2017, entre outros -, sendo a solução perfeita para caminhões pesados em serviço de longa distância, bem como ônibus, caminhões de bombeiros e veículos de recreação, como motor-home.
No ano passado, com investimentos na ordem de US$ 1,1 milhão, a Cummins inaugurou um novo Centro de Distribuição de Peças e Componentes (PDC) para consolidar emúnico centro logístico todas as unidades de Negócios, com foco em melhoria contínua no atendimento aos clientes. O local oferece suporte técnico às necessidades requeridas pelo crescimento de mercado de pós-venda doméstico e de exportação, visando eficiência, padronização, qualidade e satisfação dos clientes.
O novo centro logístico traz o conceito CCW (Cummins Collaborative Workplace), um ambiente de trabalho que atende à diversidade das organizações e estilos detrabalho individuais, fornecendo uma variedade de opções de espaços de trabalho para incentivar a inovação e a colaboração. Vale acrescentar que já em seu terceiro ano de reforma, boa parte da fábrica da Cummins, em Guarulhos (SP), também opera em formato CCW, com investimentos de US$ 4,8 milhões.
Fachada Cummins
Ao criar uma estrutura com nível global de atendimento às atividades das unidades de negócios, em linha com sua estratégia para se consolidar na região com atuação cada vez mais sinérgica, a Cumminsiniciou oficialmente em 2013 a operação do Centro Técnico Integrado América do Sul, em Guarulhos (SP).
“Com a nova estrutura integrada, a empresa dá um passo muito importante para elevar a capacidade de inovar e executar trabalhos de alto desempenho, objetivandoindicadores estratégicos para sustentabilidade do nosso negócio, como qualidade de nossas soluções, produtividade e tempo de resposta no atendimento aos clientes”, afirma Adriano Rishi, diretor de Engenharia da Cummins América do Sul.
A estrutura conta com laboratórios de testes de motores, turbos e filtros, com oito salas de dinamômetros para o desenvolvimento de motores, centro pilotopara montagem e validação de protótipos de veículos, laboratório de análisemecânica e laboratório de eletrônica – destinado ao desenvolvimento de novas calibrações.
Para atender aos mercados de geração de energia, mineração, óleo e gás, marítimo e locomotivas, a Cummins Inc. inicia a produção do novo motor QSK95 a Diesel e gás natural no segundo semestre em sua planta de Seymor- Indiana (EUA). Trata-se do maior motor de alta rotação (highspeed) nesta classe de produto.
QSK95_HighRes
Investimentos para atender ao mercado naval, no qual a fabricante de motores tem forte presença, também foram realizados em parceria com o Distribuidor Cummins, localizado no Rio de Janeiro (RJ). Ao constatar a necessidade de atender à região devido ao constante aumento do número de embarcações equipadas com os motores e geradores Cummins, e também de alta complexidade tecnológica deste segmento, a empresa implantou um centro avançado de aplicação e desenvolvimento de soluções com engenheiros preparados e técnicos treinados e especializados para suportar as frotas que atendem ao mercado offshore da região. O atendimento cobre 24 horas por dia e 7 dias por semana.
Grupos Geradores e Sistemas de Energia PGB

Sem Comentários

Insira um Comentário