MAN Latin America aposta em tecnologia 3D para projetos

MAN Latin America aposta em tecnologia 3D para projetos

mc1
Mais de 200 peças protótipos já foram produzidas em um ano para acelerar desenvolvimento de novos veículos.
A MAN Latin America já comemora a bem sucedida aplicação da impressão 3D, tecnologia utilizada em mais de 200 peças protótipos, que foram produzidas em um ano de operação. Por meio desse processo, a fabricante conseguiu reduzir em quase 80% o custo de desenvolvimento de modelos conceituais (mock ups, em inglês) na fase inicial dos novos projetos, num processo que leva, no mínimo, quatro semanas a menos.
Antes de adquirir sua própria impressora 3D, a montadora comprava esse serviço. Desde 2013, trouxe essa tecnologia para dentro de casa e os ganhos são significativos. É possível imprimir modelos de praticamente qualquer peça, em apenas algumas horas, sem necessidade de desenvolver ferramentais específicos.
A impressão é feita por sobreposição de material em camadas até que chegue ao resultado final do projeto. Em vez de tinta, essa impressora utiliza materiais termoplásticos e são adotados diferentes bicos, que produzem camadas mais ou menos espessas, de acordo com a necessidade de precisão de cada peça.
“Com o projeto desenvolvido, podemos iniciar a fabricação desses protótipos e rapidamente podemos ter uma peça para as primeiras análises e avaliações. Nossa impressora 3D é mais uma ferramenta para melhoria de projetos de desenvolvimento do produto, minimizando impacto em cronograma e custo”, destaca Rodrigo Chaves, diretor de Engenharia da MAN Latin America.
Quanto mais tardia é a alteração, maior é seu impacto, como explica André Bogdan, supervisor da área de Protótipos. “A identificação de um eventual ajuste nessa fase inicial chega a custar apenas 10% do que seria caso isso só fosse levantado na etapa tradicional de protótipos”, afirma.
Com esse processo bastante simplificado, é possível trabalhar ainda múltiplos projetos simultaneamente, com cronograma enxuto. As peças confeccionadas servem desde para a validação de modelos conceituais como para a avaliação de sua montagem e acessibilidade.

 Mauro Cassane/MM Editorial

Sem Comentários

Insira um Comentário