Elétricos chegam aos poucos. Agora DF

Elétricos chegam aos poucos. Agora DF

O projeto de disseminação dos carros elétricos, a Renault chegou a Brasília integrando o projeto Ecomóvel. Trouxe sete unidades – três Zoe e Kangoo, um Twizy. Iniciativa da Companhia Energética de Brasília, Itaipu Binacional, apoio da Aliança Renault-Nissan, Correios e a detentora de tecnologia para recarga, a português CEiiA.
A Aliança tem colocado seus veículos no Paraná, S Paulo. Nissan tem-nos no Rio de Janeiro. Itaipu absorveu tecnologia ao instalar há alguns anos, linha de montagem para Fiats Palio Weekend, aplicados em seu serviço. Ao todo a Aliança já distribuiu 66 veículos elétricos no país. Negócio pequeno para a Aliança, que já vendeu mais de 100 mil veículos elétricos.
Na Capital, o Twizzy será utilizado no Parque da Cidade – maior do mundo -, monitorando a enorme área. A CEB informa aplicar três ZOE e um Kangoo em seus serviços, enquanto os Correios dois Kangoo na entrega de encomendas.
Alain Tissier, vice presidente da Renault, na festividade traçou a adequação entre a cidade planejada, os elétricos e a mobilidade. Lembrou, a distância a outra capital planejada, Goiânia é a autonomia dos elétricos com a tecnologia de hoje. E previu: Helena, sua neta tirará Carteira de Motorista em 2030 – e será num carro elétrico.
Interesse por fabricar veículos elétricos há por parte das marcas mais envolvidas no assunto – Toyota, Mitsubishi, Renault, Nissan -, ante a projeção e ações à vista da realidade que este tipo de combustível será mandatório não apenas por racionalidade, mas pelos controles ambientais que garroteiam os motores e veículos movidos por combustível fóssil. No Brasil, entretanto, existem grandes óbices: o descompromisso do Governo Federal com relação a planejamento; a dicotomia de contarmos com as maiores reservas hídricas, oito mil quilômetros de costa ventosa, e andarmos na corda bamba da falta de energia elétrica, convivendo com a possibilidade de apagão e racionamento; e a falta de uma política de incentivos para a comercialização dos elétricos, sem preços competitivos pois a produção, ante a pequena escala, tem custo superior aos veículos com motores endotérmicos convencionais.

Renault elétrico chega a Brasília

Renault elétrico chega a Brasília


9+1, a Sprinter de gravata
Um dos pontos de apoio comercial da atividade da Mercedes-Benz no Brasil, a argentina van Sprinter tem amplo leque de versões e aplicações: mais de 50 variedades. Enorme listagem, especialistas da empresa em nosso país entenderam haver espaço para mais um tipo, o 9+1. Denominação auto explicativa, indica levar 9 passageiros e o motorista. É o menor da família 415, voltada ao transporte de passageiros, com irmãos maiores 15+1, 17+1 e 20+1.
Embora a Mercedes não endosse parece, a crescente dificuldade de trânsito nas grandes cidades cria espaço para veículo de seletivo transporte de passageiros. Na prática do uso significa oito poltronas efetivamente confortáveis, reclináveis, bonito design, em couro bi color. Piso acarpetado e, para o motorista, outros confortos de automóvel: volante multi funcional ajustável em altura e profundidade, câmera de ré. Na parte de segurança uma novidade: a MB juntou em única sigla, ESP Adaptativo 9i, a renca de equipamentos: ABS, BAS, ASR e EBV. Air bags, bolsas de ar, existem mas fora da síntese. O nono lugar é banco dianteiro. Mais confortável que o banquinho original, mas segundo nível em relação aos demais, no salão. Não é diretoria, mas serviços gerais.
O foco é confortável transporte de executivos, turistas de qualidade, fugindo à compactação imposta pelas vans em geral com muitos lugares e pouco espaço.
O mercado de vans é altamente promissor. Em 10 anos deve assinalar 300% de crescimento. Em 2014 a Sprinter deve vender aproximadas 11.000 unidades, num mercado insuflado por aumento de consumo, distribuição urbana, e.commerce, empreendedorismo, transporte de pessoas e turismo.
van de gravata, para caracterizar e distinguir sua completude, virá apenas na na cor prata, e custará quanto você conseguir argumentar, a partir da sugerida base de R$ 139.628.
Se você entende será ótimo veículo para viagens familiares, lembre-se da necessidade de portar Carteira de Habilitação categoria D.
Sprinter 415 9+1, van de gravata

Sprinter 415 9+1, van de gravata


Roda-a-Roda
Mais – Por si só referência de comportamento e solidez, o novo Golf agregou duas conquistas tecnológicas às versões Highline, com motor 1,4 e 140 cv, e GTI, 2,0, 220 cv: DLA e ACC.
Segurança – Letrinhas indicam comutador automático nas luzes dos faróis bi xenônio, baixando automaticamente para evitar ofuscar motorista em sentido contrário; e mantendo velocidade e distância pré definidas em relação ao carro da frente – frenagem pela eletrônica, sem intervenção do motorista.
Mini – Charme e exemplo de competência da BMW ao assumir o produto e renová-lo, mudando tudo para parecer nada mudar. Agora, 2a. geração longe da original, mantém fidelidade ao conceito brilhante de Sir Alec Issigonis.
Mais – Cresceu 9,8 cm, alargou 2,6 cm, elevou-se 1,2 cm e ampliou a distância entre eixos em 2,8 cm. Motor de três cilindros, 1,5 litro, turbo e136 cv. Acima, Cooper S, 2,0, quatro cilindros, turbo e 192 cv. De R$ 90 mil a R$ 125 mil.
Tapa – Para evitar a Toyota impor distância com o novo Corolla, Honda fez pequenas adequações ao Civic. Coisa pouca, graduada. Agora, versão LXR, mais vendida. Pós Copa, o EXR, topo de linha. Painel preto e cinza, fios metalizados na moldura, sistema de som e botões, câmera de ré.
Mais – Nova grade, rodas aro 17”em liga leve e novos pneus permitem novos ajustes para dirigibilidade. Mecânica baniu o tanquinho de gasolina. Câmbio manual de 6 velocidades, automático com cinco, opções de motores 1.8 e 2.0 em respectivos 140 e 155 cavalos alcoolizados. Direção elétrica.
Menos – Haverá versão de menor peso e preço. Mesmo três cilindros, 1.200 cm3, transmissão com 6 velocidades, – para vender mais.
Mini

Mini


Tudo Meu – Aconteceu o presumido: francesa Renault comprou a parte da inglesa Caterham na sociedade montada para desenvolver um automóvel esportivo, revivendo a marca Alpine. Empresa mudou de nome. Será Sociedade de Automóveis Alpine – razão social de quando criada em 1955.
Comercial – Argentina prepara produção do van Vito, em tamanho, abaixo do Sprinter. Modelo novo, também feito na Espanha, lançamento no IAA em Frankfurt e apresentação no Salão do Automóvel, outubro, SP. Quer cercar o mercado de transporte de passageiros e carga por baixo e por cima.
…. II – Automotive News garante, a Mitsubishi produzirá picape para a Fiat distribuir mundialmente. Base no modelo L200. Antes a marca italiana focara sobre os picape Dakota, da assumida Chrysler. Assunto mundial, Brasil fora.
Visão – Há uma década a MMC, aqui produtora de Mitsubishis, levou idêntica proposta à Fiat: produzir picape para ficar acima do Strada. A Fiat declinou.
Fim – Findou o Ford Fiesta hatch Rocam. Coincide o período com a Copa doMundo, aguarda vendas dos estocados em seus distribuidores. Após, lança seu sucessor mercadológico, o novo Ka – seja qual for o nome.
Batismo – A Ford bancou manter o nome Ka para o novo automóvel desenvolvido para ser seu produto de entrada. Bancou forte. O hatch com cinco portas será o Ka. E o sedã, com quatro, o K+. Apresentação em programa de tv no domingo e lançamento no segundo semestre.
Mágica – Rocam indicava comando de válvulas e balancins com roletes. Bobagem mecânica de desproporcional disposição, característica bem explorada pela Ford. Sucessor no mercado significa preço. Por nome, New Fiesta hatch em produção e custo maior. Porém Ford mudou política de preços, e será o Ka.
Situação – Ano de Copa, centrando atenções em jogos – ou protestos –, adia lançamento ou atividade na disputa de espaço gratuito nas mídias.
Troller – Sub marca Ford está no caso, com novo jipe pronto, fábrica revista em espaço e equipamentos, mas não se arrisca a apresentá-lo no período.
Gotas – Pingadas apresentações, indicam haver homeopata na área de propaganda da Ford. Apresentações em gotas para Novo Kia e jipe Troller.
Relembrando – Leitor da Coluna sabe, pois dela verteram primeiras informações corretas sobre o Troller. É carroceria nova, bom design da Ford Brasil, sobre o chassi e mecânica diesel 3.2 do Ranger, adequados em tamanho e acertos. Liderança de Jorge Abdalla, na marca experimentado engenheiro.
Visão – O jipe, com epitáfio em data marcada, escapou do fim. Ganhou bom projeto de futuro, incluindo exportações para a América Latina. Aproveitará a ocasião desperdiçada pela Toyota quando fazia o parrudo Bandeirantes.
Tempo – Para não deixar o convívio econômico regredir em regras, criando Imposto de Importação, Brasil e Argentina acertaram-se em re estabelecer o Flex, irônico rótulo para balanço de trocas. A Argentina promete não mais reter pagamentos e o Brasil a verificar os R$ 20B que adquire em peças não Mercosul para ver o que é possível de compra no bloco. Prazo 1 ano. Argentina representa 15% das vendas dos automóveis nacionais.
Futuro – Ocasião profissional: Domus Academy, de Milão, e o Centro de Estilo Fiat Chrysler oferecem curso de design estratégico. Atividade nova, atuar no processo de planejamento e projeto na escala de valor, de briefing, conceito, projeto, estruturação da marca e posicionamento no mercado. Inscrições até dia 20. A fim ?http://www.domusacademy.it/site/it/home/master-programs/car–transportation-design/borse-di-studio/international-call-for-talents-2.html
Marca – A necessidade faz o sapo pular. Frase da minha avó, sábia macróbia. Não creio o Prefeito de Paris tenha dela ouvido falar, mas fez: agregou atrações ao nome de Paris e captou vetores para divulgá-la: a marca DS e outras seis atrações, como a Torre Eiffel. DS era de Citroëns e virou marca Premium.
E – Europa não alemã nadando em braçadas curtas, ações como esta agregam valor, divulgam a marca Paris, atraem mais turistas para deixar euros – na cidade e no país. É o menor investimento para gerar empregos.
Álcool – Na arrancada do governo para entender-se com os empresários, visando simpatias e apoios para as eleições, participante dos encontros diz, tema Álcool não foi tocado. Parece, será deixado como está para ver como fica.
Gasolina – A constante queda das intenções de voto na Presidente não deve permitir a coragem da correção do preço da gasolina.
Ecologia – Governo de MG e Gol testam Bioquerosene de Aviação, o BioQAv, e elevar de 10% a 50% mescla entre combustíveis renováveis e fóssil. Pesquisa milho não alimentício, cana, pinhão manso, macaúba, camelina e madeira.
Quem ? – Álcool de madeira não tem bom registro no Brasil. Enorme fábrica incentivada foi montada em Uberaba, MG, com tecnologia russa, mas o negócio foi para a grota – nosso dinheiro, também. Camelina é pequeno vegetal europeu, para bom óleo alimentício in natura, e exige ser adequado ao país.
Mais – Dafra, especializada em montar motocicletas em Manaus, trará austríaca KTM no Brasil. Terá rede de distribuição exclusiva neste ano e nas Dafra em 2015. Monta BMW, Ducati para terceiros, e MV Agusta e KTM para si.
Re call – Ministério da Justiça indica chamada para conserto nas motos BMW R 1200 GS de 2012 e 2013. Trocar retentor do eixo cardã.
Limpa – Matriz Toyota mandou ao Brasil time do superior nível de comunicação social: almoço com jornalistas. Aferido ser inexplicavelmente nulo ou ruim o relacionamento com imprensa, vale a previsão de janeiro da ColunaOperação Rodo.
Prática – Keko Acessórios, líder, usou semana do Meio Ambiente para difundir práticas e ações ecológicas, distribuindo sacolas ecológicas em TNT. Fábrica nova, Flores da Cunha, RS, prédios para consumir menos energia e água, divulga a filosofia Reduzir, Reutilizar, Reciclar.
História – Toyota inicia comemorar 120 anos de nascimento de Kiishiro Toyoda, corajoso em bifurcar a familiar fábrica de teares ao ramo de automóveis no distante 1937.
Da Copa – Não há, ao contrário de tudo no mercado de consumo, um Carro da Copa. Mas, lembra o sítio especializado  http://vinhoegastronomia.uol.com.br/
existe o Champagne da Copa: oTaittinger Brut Réserve, de Reims, descrito na criativa linguagem dos especialistas, como não safrado, deliciosamente frutado, alegre, generoso e de final feliz. O sítio, divertido, dá dicas de vinhos e receitas harmônicas.
Maturidade – Quando o automobilista/empresário Eduardo Souza Ramos comprou fazenda a metros de rodovia importante paulista, e iniciou projetar autódromo, narizes torceram: coisa de post-boy rico. Vale só o último adjetivo.
Pois é – Pragmático, perfeccionista, vencedor, Souza Ramos fez o Velo Cittá . Não é para brincadeiras, mas propriedade produtiva, circuito homologado pela FIA, em tecnologia o mais moderno do país, autódromo pequeno e refinado. Sedia lançamentos, cursos de pilotagem e, agora, chegou à maturidade: fará a 30ª. edição dos 500 Quilômetros de Interlagos.
Programa – Festa e programa amplos: mostra de carros antigos, de corrida e de esporte, corrida entre antigos pilotos. A fim? Corra. 7. setembro – Mogi Guaçu é sem estrutura para receber tantos interessados.
O Velo Cittá  abre opção profissional às corridas.
Gente – Nelson Piquet, tri campeão de Fórmula 1, entrevistaOOOO Na Forbes, como empresário pioneiro, e lucro líquido de 20%. OOOO Paulo Kakinoff, engenheiro, presidente da Gol, recuperado. Pequena cirurgia. OOOO

Hora da racionalidade, as boas vendas do up!
Novidades incomodam. Muita novidade preocupa. Verdades antigas que a Volkswagen resolveu enfrentar ao escolher o pequeno e novidadoso up! como início de sua universalização de produtos e parametrização em relação à marca em todo o mundo.
É produto absolutamente atualizado, superior e distanciado de seus concorrentes, o mais seguro em sua categoria tanto para a capacidade de resistência a impactos quanto em proteção aos passageiros. E tem a novidade do bom motor com três cilindros, novo parâmetro e caminho de engenharia a ser seguido por todos os fabricantes de veículos em seu segmento.
A definição por cortar o passado e iniciar o futuro foi tomada na época de mercado e economia ascendentes, mas o lançamento ocorreu quando o país começava a viver o novo momento econômico, a redução do PIB e o encolhimento do mercado. Assim o up! enfrentou três obstáculos simultaneamente: suas novidades, em forma e motorização; redução e facilidade de preços pelos concorrentes; o momento de contração de vendas.
A chegada ao mercado coincidiu com o fim do estoque do Gol Geração IV.
Boa recepção ao lançamento, com vendas previstas em número proporcional às características e qualidades, porém marcando números menores. Mas há constância de crescimento. As vendas em maio mantiveram o crescimento ascendente – fevereiro 2.115; março 3.517; abril 5.198; maio 5.744 – mostram o caminho.
Parece, pelas boas referências da imprensa, dos proprietários, da novidade da versão duas portas, e da automatização do câmbio, único nacional a dispensar o uso da embreagem, ter vencido a fase de indagação, impondo suas boas características, marcando vendas.
 
VW up!, 1.0 automatizado, no caminho das boas vendas

VW up!, 1.0 automatizado, no caminho das boas vendas


 
 

Sem Comentários

Insira um Comentário