Turismo: brasileiros descobrem Miami para morar e investir em imóveis

Turismo: brasileiros descobrem Miami para morar e investir em imóveis

c
Miami cada vez mais é a cidade do exterior preferida dos brasileiros. A cidade americana já havia se consolidado como um forte destino de férias ou de curtas viagens de negócios, mas atualmente está se tornando o alvo preferido para investimentos imobiliários. Segundo estimativa da Goldmann Real Estate, 14% de todas as vendas de imóveis para estrangeiros em Miami no ano passado foram para brasileiros. Só perdem para os canadenses, que preferem as residências mais baratas, enquanto os brasileiros dominam o segmento a partir de 400 mil dólares. Ou seja, o perfil do comprador brasileiro é predominantemente de pessoas em situação financeira confortável que resolvem investir em uma residência fixa na cidade para usufruir de maiores temporadas ou acrescer seu patrimônio. E mais recentemente aumentou também o número dos que passaram a enxergar a cidade como resposta para mudar de vida.
10836289_598262986985667_1096357362_n
Motivos não faltam. Em Miami os imóveis são mais baratos, a segurança é eficaz, quase não há assaltos, as praias são limpas, as regras de trânsito são respeitadas, não há lixo nem vendedores ambulantes nas ruas, há inúmeras opções culturais, de esportes, educação, lazer e serviços, enfim, é um lugar onde as coisas funcionam. Além disso, é uma cidade “latina” em pleno EUA, a apenas oito horas de voo do Brasil.
O mercado americano imobiliário já identificou o novo filão e estão surgindo empreendimentos imobiliários formatados exatamente para agradar aos clientes estrangeiros, principalmente brasileiros. Os lançamentos ficam, geralmente, em áreas “novas”, a poucos minutos do centrão de Miami. Isto porque um apartamento de 110 metros quadrados, três quartos e uma vaga de garagem em Miami Beach não sai por menos de 500 mil dólares. Já os empreendimentos novos podem oferecer apartamentos de um dormitório a coberturas estonteantes, com inúmeras amenidades, a um custo/benefício bem mais atraente.
10841539_598262956985670_160770354_n
Um exemplo real é o Terrazas Miami, um condomínio fechado pronto para morar em South River Drive, uma região “nova”, com diversos projetos surgindo, como o shopping River Landing com inauguração prevista para 2016. Ele fica ao lado do Healthcare District; a 5 minutos do centro, de Brickell e do aeroporto internacional de Miami; e a 10 minutos de Miami Beach e de Coral Gables. Para os que frequentam a cidade, uma boa referência é que o Terrazas fica ao lado do badalado restaurante Seasalt and Pepper. Os residentes têm acesso particular ao Miami River e ao Parque E.G. Sewell, com uma fabulosa vista para o rio e para o skyline do centro de Miami. Os apartamentos – que variam de 65 a 110 m2; de um, dois ou três dormitórios – e as coberturas têm acabamento luxuoso e estão prontinhos para morar. O condomínio de duas torres tem uma área comum com piscinas, fitness center, sauna, salão de festas, churrasqueiras, bar e espaço gourmet. Os serviços incluem concierge 24 horas, sistema de vigilância, estacionamento e um depósito. As unidades variam de US$ 260 mil a US$ 420 mil.
10846761_598262943652338_2116281776_n
Ter um imóvel em Miami é mais fácil do que parece. Enquanto no Brasil os preços se encontram elevados, com probabilidade de desvalorização ou estagnação, em Miami o valor do metro quadrado está mais baixo do que no Brasil e tende a se valorizar nos próximos anos até recuperar o patamar de antes da crise de 2008.
O investidor paga à vista se quiser. Os juros de financiamentos imobiliários nos Estados Unidos variam de 4,5% a 5% ao ano, contra 10% no Brasil. “Os brasileiros ainda podem optar por financiamento de até 50% do custo do imóvel,” afirma Michael Sadov, Diretor de Vendas do Terrazas Miami. Segundo ele, seja para investir ou residir, o investimento em imóveis em Miami neste momento vale a pena. “O Terrazas é ideal para os brasileiros que gostam de passar férias em Miami. O retorno é de, no mínimo, 6%, mas a valorização pode atingir de 20 a 25%. E se o investidor quiser, pode amortizar os custos alugando o imóvel, já que o condomínio permite aluguel de até quatro meses”, diz Sadov.
10850887_598262963652336_883374842_n
Para quem já sofreu o longo processo burocrático de comprar uma casa no Brasil, Miami é um paraíso. Os trâmites nos Estados Unidos são bem mais simples. Para comprovar renda, só é preciso apresentar uma carta do contador e outra do gerente de um banco qualquer no Brasil, além de referências comerciais para mostrar que é um bom pagador.
Graças a esse cenário favorável, o executivo americano revela tem feito muitos negócios com brasileiros “Miami está atraindo cada vez mais investimentos, sedes de empresas e profissionais não só dos EUA como do mundo todo. A região fica próxima de tudo e por isso atrai os novos moradores da cidade, o que tende a valorizar muito o empreendimento. E Miami está cada vez mais brasileira”, garante Sadov.
O porquê investir em Miami?
1 – Localização
O lugar é lindo, próximo a um parque e às margens do rio, com um visual tremendo! Em frente tem uma marina, para quem deseja ter um barco, e um shopping, que vai ser inaugurado em 2016. Você está ao lado do Healthcare District; a 5 minutos do centro, de Brickell e do aeroporto internacional de Miami; e a 10 minutos de Miami Beach e de Coral Gables.
 
Directly adjacent to the; just and less than 10 minutes from
2 – Exclusividade
Não tem nenhum empreendimento parecido em Miami.
 
3 – Luxo e conforto
Os apartamentos tem varanda, janelas do chão ao teto, granito na bancada da cozinha entre outros acabamentos de luxo e todas as amenidades de um condomínio moderno, com piscinas, deck, fitness center, sauna, churrasqueiras, salão de festas, etc.
 
4 – Variedade
Se a unidade for de 1, 2 ou 3 dormitórios, todos os quartos são suítes. Todos os apartamentos tem varanda e vaga na garagem. São apenas 12 coberturas de 212 metros quadrados cada.
 
5 – Bom negócio
O preço do metro quadrado é abaixo do praticado em South Beach. É possível financiar até 50% do imóvel a taxas de 4,5% ao ano. A valorização é de, no mínimo 6% ao ano, mas pela demanda por imóveis na região, ela pode chegar a 25% em um curto espaço de tempo.

Sem Comentários

Insira um Comentário

0Shares