Teatro: comédia “Dez Encontros” volta aos palcos de Sampa com preços populares

Teatro: comédia “Dez Encontros” volta aos palcos de Sampa com preços populares

 

blue_room_bob_sousa2

Dois atores –Tania Khalill e André Garolli– representam cinco personagens cada um, que interagem entre si, movimentando expectativas, sedução e desencontros entre homens e mulheres de classes, profissões e estilos diferentes. Essa é a trama do espetáculo “Dez Encontros”, que reestreia dia 17 de fevereiro no Teatro Folha, com temporada a preços populares.

blue_room_bob_sousa1

A narrativa revela uma universal teia de relações. O enredo apresenta recortes de dez encontros, a partir do envolvimento de uma garota com um motorista de táxi. A cada cena um personagem permanece, enquanto o segundo ator volta com outro personagem, formando assim uma ciranda de encontros que fecha o ciclo, retornando à personagem inicial:

Primeiro Encontro – A Garota e o Taxista
Segundo Encontro – O Taxista e a Doméstica
Terceiro Encontro – A Doméstica e o Estudante
Quarto Encontro – O Estudante e a Mulher Casada
Quinto Encontro – A Mulher Casada e o Político
Sexto Encontro – O Político e a Modelo
Sétimo Encontro – A Modelo e o Autor
Oitavo Encontro – O Autor e a Atriz
Nono encontro – A Atriz e o Magnata
Décimo Encontro – O Magnata e a Garota

O texto “Reigen” foi escrito pelo austríaco Arthur Schnitzler (1862–1931) no final do século 19 e, mesmo considerado pelo próprio autor como “completamente impublicável”, foi distribuído para ser lido entre amigos em 1900. A estreia do espetáculo foi proibida pela polícia de Viena, em 1921, e os atores da primeira produção berlinense, no mesmo ano, tiveram de enfrentar um julgamento sob acusação de obscenidade. Em 1950 Max Ophuls (1902–1957) realizou o filme “La Ronde”, adaptado desse texto, estrelado por Gerard Philipe, Danielle Darrieux, Jean-Louis Barrault e Simone Signoret, entre outros, com grande sucesso.

blue_room_bob_sousa3

“The Blue Room” é uma adaptação escrita pelo inglês David Hare feita para ser encenada por apenas dois atores representando todos os papéis. A tradução e a direção dessa montagem no Brasil é de Isser Korik. “O texto traz uma infinidade de emoções ligadas às possibilidades sentimentais entre homens e mulheres. David Hare fez um trabalho exemplar ao trazer os personagens de Schnitzler para o universo urbano contemporâneo, tratando os encontros de uma forma mais sintética e profunda que o texto original”, explica Isser. “Para os atores é uma riquíssima oportunidade de trabalhar a composição de cinco personagens diferentes, sem cair em caricaturas ou estereótipos”. Esta é a terceira temporada do espetáculo, que teve estreia nacional em Campinas, no Teatro Amil, e cumpriu temporada no Teatro Folha em janeiro de 2015.

blue_room_bob_sousa5

Os atores

tania-khalill-comfortflex

Tania Khalill – Atriz com trabalhos em cinema, TV e teatro, com formação em psicologia e também em balé clássico pelo Ballet Paula Castro. Começou cedo no teatro. Em 1995 estreou na peça “No Natal A Gente Vem te Buscar”, com texto de Naum Alves de Souza; depois fez “Curta Comédia” (2003), de Luís Fernando Veríssimo e direção de Wolf Maya, “O Mala” (2008), de Larry Shue e direção de Isser Korik, “Grandes Pequeninos – O Show” (2010), de Fábio Torres com direção de Isser Korik, e “Vamos?” (2010), de Mário Viana com direção de Otávio Martins.

Sua primeira novela foi “Sabor da Paixão” (2002), da TV Globo. Na TV atuou em seriados e novelas, como “Galera” (2004), da TV Cultura, “Cobras e Lagartos” (2006), da TV Globo, “Pé na Jaca” (2006), da TV Globo, “Guerra e Paz” (2008), série da TV Globo, “Casos e Acasos” (2007), série da TV Globo, e “Acampamento de Férias 2” (2011), minissérie da TV Globo. Ainda na TV Globo atuou nas novelas “Senhora do Destino” (2004), ao lado de Suzana Vieira, em “Caminho das Índias” (2009), em “Fina Estampa” (2011), e também em  “Salve Jorge”, contracenando com Domingos Montagner.

No cinema fez “Área Q” (2011), filme brasileiro-estadunidense que mistura ficção científica com o gênero paranormal, dirigido por Gerson Sanginitto. Seu último trabalho foi na novela “Joia Rara” (2013), exibida na TV Globo, contracenando com José de Abreu.

associados_fotos_65_158_full

André Garolli – Professor, ator e diretor. Desde 1991 é diretor artístico da Cia. Triptal. Entre 1992 e 2014, seus principais trabalhos como diretor são “Abajur Lilás” (2014), de Plínio Marcos; “As Moças” (2014), de Isabel Camara; “Macaco Peludo” (2012), de Eugene O’Neill; “Dois Perdidos numa Noite Suja” (2009), de Plínio Marcos; “Longa Viagem de Volta pra Casa” (2007); “Zona de Guerra” (2006), contemplado com o Prêmio APCA na categoria Melhor Espetáculo Teatral de 2006; “Rumo a Cardiff” (2003), com três indicações ao Prêmio Shell de 2006; e “Luar sobre o Caribe” (2004) – esses três últimos são baseados em textos de Eugene O’ Neill e integrantes do projeto “Homens ao Mar”; “O Mata Burro” (2005), de Fabio Torres, que tem também indicação ao Prêmio Shell de Teatro de 2005.

Também nesse período de 1992 a 2014, dirigiu quatro espetáculos infanto-juvenis de Maria Clara Machado. São eles: “O Rapto das Cebolinhas” (1997), ganhador de três Prêmios Mambembe de Teatro; “Tribobó City” (1996), ganhador de dois Prêmios Panamco de Teatro Jovem; “A Menina e o Vento” (1994), contemplado com dois Prêmios APETESP – Categoria Infantil; e “A Bruxinha que era Boa” (1999). Pelo Grupo TAPA, dirigiu “O Tambor e o Anjo” (2002), de Ana Maria Nunes; “Ciúmes de um Pedestre” (2000), de Martins Penna; e “Chapetuba Futebol Clube” (1998), texto de Vianinha. Para a Escola de Arte Dramática (EAD-USP), dirige “Pedreira das Almas” (2004), de Jorge de Andrade. Entre 2002 e 2003 assiste às direções de Fauzi Arapi para o espetáculo “Caixa 2”  (vencedor de dois Prêmios APCA e um Prêmio APETESP), e de Bibi Ferreira para “Qualquer gato vira lata tem uma vida sexual mais sadia do que a nossa”. Dirigiu o episódio “Zona de Guerra” (2007), “A Longa Viagem” (2008), e quatro capítulos da minissérie “João Miguel” (2004) para o programa “Direções”, da TV Cultura. Também foi diretor de vídeos institucionais para a Secretária da Cultura e do Emprego, do Governo de São Paulo.

Como ator, seus principais trabalhos entre 1996 e 2007 são, pelo grupo TAPA – sob direção de Eduardo Tolentino –, os espetáculos “Doze Homens e uma Sentença” (2010), de Reginald Rose Vestir; “Credores” (2009) de Strindberg; “Os Nus” (2009), de Pirandello; “Cloaca” (2009), de Maria Goos; “A Mandrágora” (2006), de Maquiavel; “Os Executivos” (2005), de Daniel Besse; “Ivanov” (1998), de Anton Tchecov; “A Serpente” (2000), de Nelson Rodrigues; “Moço em Estado de Sítio” (1996), de Oduvaldo Viana Filho; “Vestido de Noiva” (1994), de Nelson Rodrigues; “Querô” (1993), de Plínio Marcos; e “Megera Domada” (1993), de William Shakespeare. Do dramaturgo Juca de Oliveira atua em “Caixa 2” (1992); “Flor do Meu Bem Querer” (2004); e “Qualquer gato  vira lata  tem  uma  vida sexual mais sadia do que a nossa” (2003), sob a direção de Fauzi Arap, Naum Alves de Souza e Bibi Ferreira, respectivamente. Também atuou em “Venus em Visom” (2014), de David Ives com direção de Hector Babenco; e “Os Exilados” (2012), de James Joyce com direção de Ruy Guerra.

Na televisão destaca-se, junto ao núcleo de dramaturgia, sua atuação nas minisséries “Lara com Z” (2011), “Cinquentinha” (2010) e “Na Forma da Lei”  (2010), todas da TV Globo. Também nessa emissora atuou nas telenovelas “Amor à Vida” (2013) e “Fina Estampa” (2011). No SBT atuou em “Sangue do meu Sangue” (1996) e “Pérola Negra” (1999). Garolli também participou do “Senta que lá vem comédia” (2005), pela TV Cultura.

Como professor atua, desde 1996, ministrando cursos e oficinas de interpretação para teatro e vídeo na Escola Wolf Maya, no Teatro Vento Forte, na Oficina Oswald Andrade, no Tuca (PUC), e na Escola Ewerton de Castro.

Ficha Técnica:

Autoria: David Hare

Tradução e direção: Isser Korik

Elenco: Tania Khalill e André Garolli

Cenários e adereços: Gilberto Gawronski

Figurinos: Fábio Namatame

Duração: 90 minutos

Classificação etária: 16 anos 

Serviço:

blue_room_bob_sousa9

 ”Dez Encontros”

Local: Teatro Folha, Shopping Pátio Higienópolis – Av. Higienópolis, 618 / Terraço / tel.: (11) 3823-2323 – Televendas: (11) / 3823 2423 / 3823 2737 / 3823 2323 Site: www.teatrofolha.com.br

Estreia: 17 de fevereiro

Temporada: até 31 de março

Apresentações: quarta e quinta-feira, 21h.

Ingresso: R$ 20,00 (setor único).

*Valores referentes a ingressos inteiros. Meia-entrada disponível em todas as sessões e setores de acordo com a legislação.

 

 

Sem Comentários

Insira um Comentário

0Shares