GP México: Hamilton vence e precisa de um abandono de Rosberg  

GP México: Hamilton vence e precisa de um abandono de Rosberg  

O circuito Hermanos Rodriguez recebeu 300 mil pessoas que assistiram o domínio de Lewis Hamilton em uma corrida marcada por disputas nas posições intermediárias.

Apesar da evolução de RBR, a Mercedes-GP continua como a melhor equipe da temporada. Lewis Hamilton e Nico Rosberg ganharam nos treinos classificatórios o direito de sair na primeira fila.

Na segunda fila, os pilotos da bebida energética, Max Verstappen e Daniel Ricciardo, largaram com pneus super macios para tentar pular na frente dos rivais da Mercedes. A estratégia não valeu. Apagadas as luzes vermelhas, Hamilton manteve a ponta, apesar de passar reto na primeira curva.

Verstappen foi pra cima de Rosberg e não conseguiu ultrapassar. Como no pelotão traseiro alguns pilotos se estranharam, a direção da prova colocou o safty car virtual em ação.

O inglês da Mercedes conseguiu abrir uma pequena vantagem para o segundo colocado.  Foi suficiente para trocar os pneus, voltar em quarto lugar e só esperar quem estava na pista trocar os pneus e reassumir a liderança.

Com a primeira e segunda posição definida, a disputa ficou para o terceiro lugar. Verstappen sofreu muita pressão de Sebastian Vettel (Ferrari), até errar e cortar caminho em uma curva. A equipe mandou o holandês entregar a posição para o alemão e ele não obedeceu. No final foi punido em 5 segundos e terminou a prova na quinta colocação.

Situação semelhante aconteceu com Felipe Massa. O brasileiro chegou a andar na sexta posição.  Ao trocar os pneus o carro perdeu rendimento, tanto que deixou Valtteri Bottas, o companheiro de Williams, ultrapassá-lo. E aí passou a sofrer pressão do piloto da casa Sergio Perez (Force India).

Massa resistiu bem e recebeu a bandeirada na nona posição. E o outro Felipe, o Nasr da Sauber, tentou estratégia diferente. Largou com pneus duros para ficar mais tempo na pista. Não resolveu e só terminou a corrida na 15ª posição.

Com este resultado, a diferença entre Rosberg e Hamilton é de apenas 19 pontos. Faltam duas provas para encerrar a temporada, dia 13/11 no Brasil e 23/11 Abu Dhabi.

Para o inglês ser campeão precisa ganhar as duas e torcer para o alemão não marcar pontos. É difícil, mas não é impossível.

Marcaram pontos no GP do México

  1. Lewis Hamilton
  2. Nico Rosberg
  3. Sebastian Vettel
  4. Daniel Ricciardo
  5. Max Verstappen
  6. Kimi Raikkonen
  7. Nico Hulkenberg
  8. Valtteri Bottas
  9. Felipe Massa
  10. Sergio Pérez

 

Mundial de pilotos

  1. Nico Rosberg- 349
  2. Lewis Hamilton- 330
  3. Daniel Ricciardo- 239
  4. Sebastian Vettel- 192
  5. Kimi Raikkonen- 178
  6. Max Verstappen- 175
  7. Sergio Perez- 85
  8. Valtteri Bottas- 85
  9. Nico Hulkenberg -60
  10. Fernando Alonso-52

11.Felipe Massa- 51

 

Rapidinhas

Ele mereceu

Nico Rosberg chegou em segundo e manteve a liderança da competição. Na entrevista coleiva reconheceu a superioridade de Hamilton. “Ele teve de passar pela primeira curva e voltou em primeiro, tá tudo certo. Depois disso, aconteceu bastante coisa para mim, foi bastante agitado. No fim das contas, tenho de lidar com o fato de ter finalizado em segundo. Lewis foi mais rápido e mereceu a vitória”.

 

Ganhou no grito

Muito irritado com Max Verstappen, Sebastian Vettel falou cobras e lagartos no rádio, após tentar ultrapassar o holandês, que saiu da pista, cortou caminho e voltou na frente. “Não tenho nada mais a dizer. É claro. Eu estava mais rápido, coloquei um pouco de pressão nele e ele errou. Estava claro que ele tinha que sair da frente e ele não saiu. Me disseram que falaram via rádio para ele me dar a posição e ele ignorou. Você entende, no calor do momento. Eu só tentei me acalmar e fazer minha corrida”, comentou o alemão sobre a manobra.

 

Coisa de criança

Com 19 anos, Max Verstappen é o mais jovem piloto na F-1. Após ser punido, chamou o tetracampeão Sebastian Vettel de criança. “É ridículo o que ele fez. Eu nunca fiz algo do tipo, nem perto disso. Eu já me movi no ponto de freada, mas com um carro que estava uns 10, 15 metros atrás. Ele fez isso com um carro do lado dele. Ele é um cara muito frustrado. Ele grita no rádio como uma criança, ele é uma criança. Aqueles gestos que ele fez para mim quando cruzamos a linha de chegada é coisa de criança”, esbravejou o holandês.

Sem Comentários

Insira um Comentário