Pesquisa: 26% dos carros usados avaliados em outubro com chamados de recall

Pesquisa: 26% dos carros usados avaliados em outubro com chamados de recall

40828829

A Checkauto, uma empresa do Grupo Dekra, acaba de divulgar seu relatório mensal de restrições e riscos evitados ao cliente. Segundo o relatório, mais de 18% das consultas realizadas na plataforma on-line trouxeram algum tipo de informação que afetam o valor do veículo consultado. A mais recorrentes foram carros chamados para Recall (26%) e que já foram leiloados (16%).

Mas qual o risco de comprar um carro que teve esse tipo de restrição? José Félix, especialista em risco e responsável pela Checkauto, explica como o recall pode impactar na segurança do novo proprietário, caso não seja identificado. “Imagine que o carro sofreu um chamado de recall, mas o antigo proprietário não atendeu. Esse problema pode surgir na sua mão, implicando sérios riscos de segurança. Temos casos em que falhas em peças causaram grandes acidentes”, explica Félix.

logo_checkauto_b

Já no caso do leilão, a informação funciona como argumento para a negociação do veículo usado. “Ao ter total transparência sobre o histórico do carro, o comprador tem mais clareza para dar uma oferta justa, e não se lesar posteriormente. No caso do carro que já foi a leilão, a informação é o poder de barganha do comprador”, afirma o especialista.

Ainda de acordo com as informações do relatório, a Checkauto evitou um prejuízo de mais de R$ 348 milhões para os consumidores que contrataram seus serviços. Para se ter uma ideia, a cada R$1 real investido na consulta, o retorno é de R$ 54,94 em riscos evitados para o cliente.

Veja outras restrições levantadas no período:

  • Bem penhorado ou com restrição judicial: imagine comprar um carro e depois descobrir que ele era um bem penhorado e não poderia ter sido vendido? Pois essa foi a descoberta em 9,7% das consultas realizadas somente no mês de outubro. “O risco aqui é óbvio: o comprador paga e acaba ficando sem o carro já que não consegue nem fazer a transferência do bem para seu nome. É prejuízo na certa”;
  • Restrição de roubo e furto: quase 7% dos carros consultados constavam como roubados. Caso o novo proprietário desconheça a informação, além de ter seu nome envolvido em um processo criminal, tendo que vir a provar que não é responsável pelo roubo, ele não conseguirá transferir o bem para o seu nome. ”Mais uma vez, o comprador paga e acaba ficando sem o bem, podendo até ter que gastar com um processo judicial”, explica o especialista;
  • Carro baixado: 6% dos carros consultados aparecem com essa restrição. Na prática, isso significa que o carro sofreu uma séria batida, com danos irreparáveis ao chassi e por conta disso, o veículo sofre “baixa” no cadastro do DETRAN. Esse carro não poderia nem estar circulando muito menos estar sendo vendido.  “Veículos como esse representam riscos enormes a segurança já que as partes estruturais do carro foram gravemente atingidas não podendo ser reparadas. Além disso, o comprador não consegue transferir o veículo para o seu nome sendo um prejuízo tanto para o bolso quanto para a vida”.

“Ao divulgarmos estes dados queremos salientar a importância de uma compra segura e transparente para todas as partes. A Checkauto se orgulha de evitar uma série de riscos aos consumidores de todo o País e trabalha para reforçar a cultura da compra segura entre consumidores e revendedores”, afirma José Félix, responsável pela área de serviços de varejo do Grupo DEKRA e pela Checkauto.

 

Sem Comentários

Insira um Comentário