Avaliação: o “dois em um da Fiat”, o novo Argo Precision 1.8

Avaliação: o “dois em um da Fiat”, o novo Argo Precision 1.8

Escrito por: 

16/10/2017

A Fiat deu uma guinada em sua política de renovação da gama ao aposentar, de uma só vez, Punto e Palio, substituindo-os com o recém lançado Argo. A marca acredita que com este produto pode voltar a conquistar uma grande fatia de mercado que perdeu no decorrer dos anos.

O Fiat Argo é um hatch de design agradável, em que pode-se dizer que 60% das linhas foram criadas pelo departamento de estilo e 40% são frutos de melhorias aerodinâmicas. O todo agrada à primeira vista, transmitindo uma imagem de modernidade que provavelmente será apreciada pelo mercado, juntamente com seu conteúdo tecnológico em que se destacam os motores 1.0 de 3 cilindros e 1.3 de 4 cilindros, recentemente lançados. Ao lado deles, o já conhecido 1.8 (que equipa a picape Toro, por exemplo) e deverá, em sua versão esportiva, tomar o lugar do Punto 1.4 T-jet como carro-imagem da linha.

Uma novidade é o oferecimento de um câmbio automático de 6 marchas para a versão 1.8, além de câmbio automatizado para os demais modelos.tendo sempre, como opção básica, um bom câmbio mecânico de 5 marchas, de engates precisos e relações de marchas bem escolhidas.

Se na parte mecânica, estrutural e no projeto o Fiat Argo agrada, o mesmo vale para o interior. Aqui é um traço em que nitidamente notamos uma mescla dos italianos trabalhando a forma das peças e dos norte-americanos selecionando a qualidade dos materiais (plásticos e tecidos) usados no interior. Uma característica muito boa do Argo que foi herdada do Punto é a excelente ergonomia. Até mesmo a boa empunhadura do volante do Punto está lá replicada no Argo. As demais teclas e botões seguem o (bom) padrão visto nos modelos nacionais da Jeep e na Fiat Toro.

Esse salto no acabamento promovido pela Chrysler dentro da linha Fiat foi muito salutar para a marca italiana. A única das poucas críticas em relação ao Argo destinam-se para o espaço traseiro. Os passageiros mais altos vão facilmente raspar a cabeça no teto, algo que não deveria ocorrer um carro tão moderno como o Argo. A área para as pernas é boa, mas não espere colocar mais do que dois adultos ou, no máximo, dois adultos e uma criança no banco traseiro do Fiat. O modelo, de qualquer forma, traz o prático e seguro sistema Isofix para fixação de cadeirinhas de bebê.

Ao rodar percebe-se que o Argo constitui um passo à frente não só do Palio mas também do Punto, com boa estabilidade, reduzida oscilação lateral da carroceria, boa frenagem, tanto em condições normais como em emergência, e desempenho adequado ao tipo de motor que o usuário escolher. Em relação ao consumo, por ora, só temos os dados oficiais, que mostram um carro bem econômico. Mas reservamo-nos para um julgamento no momento em que pudermos experimenta-lo por certo período.

 

Quanto aos preços, se situam perto dos concorrentes (a Fiat entende como tal notadamente HB20 e Onix), começando em R$ 46.800 para o Argo 1.0, continuando com R$ 53.900 para o Argo 1.3 e finalizando com R$ 61.800 para o Argo 1.8. Esses são os preços iniciais de cada versão que pode ser enriquecida com muitos opcionais e até mesmo com uma série de 51 acessórios produzidos pela Mopar, a divisão encarregada deste setor de customização dos carros Fiat.

Texto e avaliação: Joka Finardi

Fotos: Edu Nabuco

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sem Comentários

Insira um Comentário