Teatro: “Quando as Máquinas Param”, de Plínio Marcos

Teatro: “Quando as Máquinas Param”, de Plínio Marcos

Curta temporada do espetáculo em no palco do  Teatro Aliança Francesa

Uma das obras do dramaturgo Plínio Marcos volta à cena. Uma trama que retrata aspectos da recessão e desemprego, temas atemporais que marcaram a carreira do ‘repórter de um tempo mau’, ou seja, de Plínio Marcos. Esse é o mote do espetáculo “Quando as Máquinas Param” que está em cartaz no no Teatro Aliança Francesa. A montagem tem direção de Augusto Zacchi, supervisão artística de Oswaldo Mendes e protagonizada pelos atores Carol Cashie e Cesar Baccan. As sessões ocorrem sextas e sábados, às 21h, e domingos, às 19h30, até 24 de fevereiro.

Escrito em 1967, o texto mostra a dificuldade de Zé em encontrar trabalho, o que torna a relação com Nina, sua esposa, cada vez mais complicada. Nessa situação de penúria, ele revela um lado que ela antes não conhecia.

Por sempre abordar temas ácidos em sua dramaturgia, Plínio Marcos nunca foi bem visto pelas autoridades e instituições repressoras, suas obras ficaram conhecidas por falar de assuntos que geralmente estavam silenciados.

“Na peça, somos apresentados a Nina e Zé, jovem casal de uma vila operária na periferia. Poderia ser apenas mais uma história de amor de dois jovens com sonhos de Romeu e Julieta. Sonhos modestos de uma novela de rádio ou de um time de futebol. Mas Plínio nos mostra o que acontece quando as máquinas param para José e ele vai para o olho da rua. De repente, a modesta felicidade sonhada não resiste à brutalidade do desemprego e à incerteza do amanhã”, fala Oswaldo Mendes.

Para Mendes, um dos méritos da dramaturgia é colocar em cena várias camadas vulneráveis da ferida social que envolve os personagens. “Lá estão os meninos no futebol de rua, despreparados como Zé para enfrentar a vida e o trabalho. O jovem sem profissão. A mulher, arrimo de família, sustentando o duro cotidiano da casa. O sindicato que não se preocupa com os desempregados. O trabalhador que explora o próprio trabalhador. Como Brecht, Plínio Marcos faz ruir à nossa frente uma história de amor. Ele é apenas o poeta que nos pega pela mão e leva até seus personagens para que não nos esqueçamos deles”.

Quando as Máquinas Param é uma peça que marcou história no teatro brasileiro e já teve Tony Ramos, Luiz Gustavo e Marcos Paulo, nos papeis masculinos, Walderez de Barros, Yara Amaral e Miriam Mehler, nos papeis femininos, em montagens dirigidas por Nelson Xavier, Jonas Bloch e também pelo próprio dramaturgo, Plinio Marcos.

Ficha técnica

Autor: Plínio Marcos. Supervisão Artística: Oswaldo Mendes. Direção: Augusto Zacchi. Elenco: Carol Cashie e Cesar Baccan. Figurino e Cenário: Marcela Donato. Iluminação: Nelson Ferreira. Trilha Sonora: Marcelo Ullmann. Fotos: Ronaldo Gutierrez. Designer Gráfico: Rafael Oliveira. Mídias Sociais: Gigi Prade. Produção Geral e Realização: Baccan Produções.

Serviço:

“Quando as Máquinas Param”, de Plínio Marcos

Temporada: até 24 de fevereiro. Sextas e sábados às 21h e domingos, às 19h30.

Local: Teatro Aliança Francesa – Sala Atelier , Rua General Jardim 182 – Vila Buarque. São Paulo – SP

Ingressos: R$ 30 / R$15 (meia).

Classificação : 12 Anos.

Duração: 60 Minutos

 

Sem Comentários

Insira um Comentário