Exposicao “Retratos de Ema Klabin” até 15 de dezembro

Exposicao “Retratos de Ema Klabin” até 15 de dezembro

Os retratos humanos sempre foram destaque na arte, seja na pintura, escultura ou na fotografia.  A exposição destaca três retratos da colecionadora

Um bom programa na cidade! Até o dia 15 de dezembro, de quarta à domingo, das 14h às 18h, a Casa-Museu Ema Klabin promove a exposição “Retratos de Ema Klabin”, com curadoria do arquiteto  Paulo Costa. Na exposição, o público poderá conferir em destaque, na entrada do espaço cultural,  obras que retratam a mecenas e colecionadora que deixou como legado o Museu que leva seu nome e é um dos grandes pontos turísticos de São Paulo.

Ao longo de sua vida, Ema Klabin  (1907 – 1994) encomendou apenas três retratos, todos entre o final dos anos 1940 e início dos anos 1950.  As obras foram produzidas em diferentes expressões artísticas, uma pintura à óleo de  Arthur Kaufmann (1949), uma  escultura de Bella Karawaewa Prado (1954) e uma série de fotografias de Gregori Warchavchik (1940).

De acordo com o curador Paulo Costa , os  três retratos de Ema Klabin foram produzidos em  um período marcado por importantes mudanças em sua vida pessoal e transformações no cenário econômico e cultural de São Paulo, que despertava para um momento de progresso e estabilidade propiciado pelo final da Segunda Guerra Mundial.

“ Após a morte de seu pai Hessel, em 1946, Ema Klabin deixou de ser a irmã do meio que cuidava do pai e, aos quarenta anos de idade, transformou-se em uma mulher independente, de personalidade e atitude. É justamente nesse momento que Ema começa a formular uma nova persona pública para si, que manteria até o final da vida: a empresária e mecenas, colecionadora e viajante incansável, de espírito livre e altivo ”, explica Paulo Costa.

Em comum nos retratos de Ema Klabin , Paulo Costa aponta a forma despojada em que a colecionadora  se apresenta, com roupas e penteado simples e sem qualquer joia ou adereço, trazendo a atenção para sua expressão facial e seu olhar, pensativo e distante.

O curador ainda salienta que outro denominador entre os artistas e a colecionadora– que possivelmente foi determinante na sua escolha – é o fato de todos fazerem parte dos movimentos migratórios que marcaram o início do século XX. Ema era filha de imigrantes lituanos (educada na Suíça e Alemanha), Kaufmann um judeu alemão, expulso pelo nazismo, que se estabeleceu nos Estados Unidos. Tanto Warchavchick quanto Bella eram naturais de Odessa (Ucrânia), ela chegou ao Brasil ainda criança e estudou com mestres do nosso modernismo, e ele formado em Arquitetura em Roma.

O período de realização dos retratos também é significativo pelo esforço conjunto empreendido por paulistanos de famílias tradicionais e imigrantes para a criação de instituições culturais que moldariam a identidade cultural de São Paulo. Entre eles:  a criação do MASP (1947), do MAM (1948), a realização da 1ª Bienal (1951), culminando com as grandes exposições do IV Centenário da cidade (1954), que inaugurou o Parque do Ibirapuera.

Serviço:

Exposição Retratos de Ema Klabin – Curadoria: Paulo de Freitas Costa

Data: Até 15 de dezembro

Visitas livres : De 4ª a domingo, das 14h às 18h, não é necessário inscrição

Entrada :  Sábados, domingos e feriados:  entrada franca. De  4ª a  6ª : R$10  – Sem agendamento

Local : Fundação Ema Klabin, Rua Portugal, 43, Jardim Europa – São Paulo.  Tel: 11 3897-3232

https://emaklabin.org.br

Sem Comentários

Insira um Comentário