Ar-condicionado e efeitos que pode causar na respiração

Ar-condicionado e efeitos que pode causar na respiração

Médico especialista explica os danos na saúde

A utilização do ar-condicionado dentro dos carros é muito comum, porém o uso excessivo, as baixas temperaturas e a falta de limpeza ou manutenção podem ser prejudiciais para nosso corpo e principalmente pro sistema respiratório. “Em relação ao uso do ar-condicionado, pessoas que tem problemas respiratórios devem redobrar o cuidado e a atenção em relação as pessoas que não apresentam nenhum tipo de doença. O ar-condicionado já é agressivo para a mucosa nasal e seu uso deve ser feito com cautela, descreve Dr. Guilherme Scheibel, otorrinolaringologista e trabalha exclusivamente com rinoplastia.

“No verão eu vejo um aumento dos problemas respiratórios ligado ao uso excessivo do ar-condicionado, pois o ar muito frio e seco do aparelho agride a mucosa nasal. Em resumo, na nossa mucosa nasal temos vários cílios para fazer a limpeza – uma partícula entra em contato com o início do nariz, essa partícula vai sendo limpa junto com o muco e é levada para trás pra gente deglutir ela, isso é fundamental na fisiologia nasal. O uso excessivo do ar aliado a baixa temperatura pode ajudar a paralisar esses cílios, prejudicando a limpeza do que você respira.  Para agravar um ar-condicionado que não é limpo periodicamente ou de maneira correta, tende a acumular fungos, bactérias, acaros e sujeiras prejudicais para a nossa respiração. Ou seja, é extremamente importante também a limpeza do ar para evitar alguma complicação mais seria”, explica Scheibel.

A temperatura do ar-condicionado também é um ponto que merece atenção. “Não use o ar na potência máxima, procure deixar alguns graus de diferença da temperatura externa. Além de evitar o ressecamento das mucosas nasais, diminuir a diferença da temperatura nos ambientes internos e externos evita o choque térmico e possíveis doenças, conta Dr. Guilherme.

Fonte: Dr. Guilherme Scheibel é palestrante internacional em rinoplastia, graduado em Medicina pela Faculdade Evangélica do Paraná, possui Residência Médica em Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico Facial pela Santa Casa de Curitiba (PUC-PR) e Título de Especialista em Otorrinolaringologia pela Associação Médica Brasileira e pela Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica da Face. Além disso, é fundador do Virtual Fellow, programa internacional de ensino em rinoplastia para otorrinos e cirurgiões plásticos de todo mundo

Sem Comentários

Insira um Comentário