Dicas de como melhorar a segurança no trânsito

Dicas de como melhorar a segurança no trânsito

No Maio Amarelo, especialista lista algumas boas práticas no trânsito para segurança

Chegou o Maio Amarelo, movimento que busca conscientizar a sociedade sobre o índice de mortos e feridos no trânsito. E com ele, a importância de se pensar no tema para evitar que os números continuem crescendo. Até março de 2022, já foram registradas 1.133 mortes no trânsito apenas no Estado de São Paulo, duas a mais que no mesmo período de 2021, quando foram registradas 1.131, segundo dados do Infosiga.

Atitudes básicas, como a utilização do cinto de segurança, revisão de freios e pneus e utilização da seta, podem ser primordiais para evitar acidentes nas estradas e ruas do país. Pensando em ajudar o motorista, o Zul+, plataforma criada para ser a melhor companhia para quem dirige, elencou cinco atitudes que vão contribuir não só para a segurança de motoristas, como também de passageiros, pedestres, ciclistas e quem está em outros carros.

Manutenção do veículo

Estar com a manutenção do veículo em dia faz toda diferença para o bom funcionamento das engrenagens, o que ajuda a reduzir a possibilidade de um acidente por falha técnica do automóvel. Verificar o estado dos freios e pneus e fazer as revisões indicadas podem evitar quebras e acidentes. “É importante o motorista ter em mente o quão vital é manter o carro revisado, pois as eventualidades têm menores chances de ocorrer se o carro estiver sempre com os componentes novos e o acompanhamento feito em dia”, explica o CEO do Zul+, André Brunetta.

No próprio Zul+ o motorista pode registrar todas as revisões e manutenções feitas no carro. Assim, fica mais fácil saber quando foi a última vez em que os pneus foram trocados, ou os freios vistoriados.

Utilização do cinto de segurança

Algumas pessoas ainda não se conscientizaram sobre a importância da utilização do cinto de segurança, especialmente nos bancos traseiros. Segundo dados do IBGE, em 2019, apenas 54,6% dos adultos utilizavam o cinto no banco de trás, enquanto na frente essa taxa chegava a 79,7%. Fazer uso desse componente é tão essencial para a vida que os riscos de morte diminuem em até 75% para quem estiver no banco traseiro. Para passageiros do banco dianteiro, o risco de morte é reduzido entre 45% e 50%.

Vale a pena ficar atento e respeitar a lei.

Respeitar a sinalização e os limites de velocidade

Os limites de velocidade impostos são baseados em diversos fatores e estudos. A chamada velocidade matriz é aquela predominante em uma rodovia. Mesmo que ela apresente variações entre 110 km/h e 80 km/h em algum trecho, a tendência é que a velocidade matriz seja a maior. De toda forma, o respeito ao limite das placas de sinalização deve ser constante. Acidentes em alta velocidade podem gerar impactos fortíssimos ao corpo dos seres humanos. Quanto maior, mais chances de uma fatalidade em caso de acidente. Além dos limites de velocidade, as placas de pare, preferência e afins também devem ser respeitadas.

“Não é incomum vermos motoristas passando dos limites de velocidade, mas algo que a gente também tem que se atentar é para a sinalização em perímetro urbano. As placas de pare e as de preferência são importantes para indicar ao condutor que atitude tomar. Não prestar atenção e avançar quando não tiver a preferência pode gerar acidentes graves”, relata André Brunetta.

Dê a seta

Sinalizar a intenção é um meio de prevenir acidentes, tanto que é obrigatório por lei. Quem vem atrás, está à sua frente ou até mesmo pedestres e ciclistas não sabem exatamente qual a intenção de quem está dentro do carro. A indicação correta com a seta, para o lado correto, tanto para sair e entrar em uma vaga, trocar de faixa ou fazer uma ultrapassagem é essencial para evitar acidentes.

Uso do celular ao dirigir

Entre todos os perigos, o do celular é um dos que estão em maior evidência. Com a ascensão das novas tecnologias, cada vez mais os jovens estão acostumados a dirigir e se manter ligados à tela do celular. Segundo dados da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (ABRAMET), digitar uma mensagem de texto pode fazer com o que o condutor percorra até 100 metros sem olhar para a via se estiver em a uma velocidade de 80 km/h.

Se beber, não dirija

Uma frase importantíssima que deve continuar sendo propagada. A embriaguez e a direção continuam sendo uma grande causa de óbitos no trânsito. Apenas no ano de 2021, foram 272 óbitos registrados pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran) São Paulo. Ainda segundo o Detran, mais de 50% dos acidentes no país envolvem um ou mais condutores embriagados.

“Impressiona que o óbvio tenha que ser dito, mas consumir álcool e dirigir são duas coisas que não combinam. Ter consciência de que a sua vida está em risco e, também, a do próximo, é necessário nesses casos”, finaliza Brunetta.

 

Sem Comentários

Insira um Comentário