GWM Brasil apresenta tecnologia híbrida DHT

GWM Brasil apresenta tecnologia híbrida DHT

Empresa desvenda tecnologia que oferece até 200 km de autonomia elétrica e até 483 cv de potência e 762 Nm de torque 

A GWM Brasil apresentou durante evento on-line nesta terça-feira (21) os detalhes da sua tecnologia híbrida DHT (Dedicated Hybrid Technology), que vai equipar os veículos que a marca pretende lançar no mercado brasileiro a partir do fim deste ano.

O sistema DHT GWM é a principal tecnologia responsável pelo crescimento global da empresa e em breve estará no Brasil para mostrar ao consumidor local por que é a solução híbrida mais eficiente do mercado. Um de seus maiores diferenciais é a capacidade de entregar ao motorista uma experiência real conduzir um veículo elétrico.

“Enquanto em um veículo híbrido convencional o motor elétrico serve apenas como suporte ao motor a combustão, no sistema DHT GWM é a motorização elétrica que é o personagem principal, deixado o motor a combustão apenas como apoio quando for necessário”, explica Oswaldo Ramos, Chief Commercial Officer da GWM Brasil.

O sistema DHT GWM é aplicado sempre à plataforma LMN, que foi desenvolvida especialmente para dar origem aos novos veículos eletrificados da GWM. A tecnologia consiste em um motor 1.5 turbo, uma dupla motorização elétrica (chamada de Dual Motor) e um par de engrenagens fixas que conectam o motor a combustão às rodas.

O Dual Motor tem três funções nesse sistema: transmitir o movimento diretamente para as rodas, recarregar a bateria do conjunto híbrido e, em condições de alta demanda de torque, auxiliar o motor a combustão gerando torque adicional.

Em vez de recorrer a um câmbio tradicional com diversas marchas, o motor a combustão do conjunto DHT GWM utiliza apenas duas engrenagens: uma destina-se ao uso em altas velocidades e a outra para as médias velocidades, sempre trabalhando em conjunto com o Dual Motor. Para as baixas velocidades, o sistema privilegia a condução com a motorização elétrica, que também pode atuar em algumas situações de médias velocidades.

Outra característica do DHT GWM é o recurso que permite utilizar o motor a combustão como gerador, apenas para recarregar a bateria, que por sua vez vai alimentar a motorização elétrica que gera a tração para as rodas. Nessa situação, o motor a combustão trabalha sempre em um regime de rotação de máxima eficiência, reduzindo o consumo de combustível quando for acionado.

Devido a esse conceito inovador, o DHT GWM oferece vantagens únicas para um veículo híbrido:

1) Alto desempenho sem abrir mão do baixo consumo: a condução elétrica reduz o gasto de combustível e ainda ajuda a entregar números de até 483 cv de potência e 762 Nm torque, com acelerações de 0 a 100 km/h em até 4,8 s.

2) Perfeita adequação entre uso urbano e rodoviário: proporciona um baixo consumo com alta performance nos dois ciclos de rodagem, além de possibilitar a condução elétrica mesmo em rodovias.

3) Tamanho compacto e baixo peso do conjunto motriz: a engrenagem dupla integrada permite uma gama maior de utilização do powertrain, além de favorecer a redução de peso e de tamanho.

4) Baixo nível de ruído e vibração: isso é possível graças à transmissão com apenas duas marchas e à oferta de condução elétrica por mais tempo do que a maioria dos concorrentes do segmento.

5) Experiência real de veículo elétrico: o sistema possibilita atingir velocidade máxima de 140 km/h no modo EV e até 200 km de autonomia puramente elétrica, no caso da versão plug-in, além do uso do motor elétrico mesmo com baixo nível da bateria graças ao modo gerador, que utiliza o motor a combustão para fornecer energia elétrica.

O sistema DHT GWM permite a oferta de três versões de modelos híbridos: híbridos convencionais (HEV), híbridos plug-in (PHEV) e híbridos plug-in com um motor elétrico extra no eixo traseiro (PHEV P4).

O HEV utiliza o powertrain 1.5T+DHT130, composto pelo motor a combustão 1.5 turbo e um Dual Motor que geram para o eixo dianteiro entre 243 cv e 393 cv (179-289 kW) de potência e de 530 a 570 Nm de torque, com aceleração de 0 a 100 km/h entre 8,0 a 6,5 s.

O PHEV é equipado com essa mesma configuração técnica, mas adiciona uma bateria maior, que possibilita uma autonomia elétrica de até 200 km.

Já o PHEV P4 usa um powertrain 1.5T+DHT130+P4, o que acrescenta um motor elétrico extra no eixo traseiro, resultando em uma potência máxima entre 393 cv e 483 cv (289-355 kW), torque de 762 Nm e aceleração de 0 a 100 km/h entre 5,0 a 4,8 s, com até 180 km de autonomia elétrica.

Por ter um motor extra, o PHEV P4 proporciona ainda o recurso AWD All-Terrain, um sistema de tração permanente nas quatro rodas que conta com divisão inteligente de torque entre os eixos: podem variam de 100% na dianteira até 100% na traseira, passando por qualquer proporção que o conjunto considerar necessário.

Essa distribuição de torque entre os eixos é automática e é determinada em função do nível de aderência do piso e da estabilidade dinâmica do veículo. Desse modo, o AWD All-Terrain consegue combinar o melhor desempenho off-road em estradas de terra com a maior aderência e estabilidade em pisos de asfalto seco ou molhado. Outro benefício AWD All-Terrain é a capacidade de subir rampas de até 65% de inclinação.

Atualmente, os powertrains do sistema DHT GWM já estão sendo testados no Brasil para que possam se adequar às condições de rodagem do território brasileiro e para atender às necessidades e preferências do consumidor brasileiro. Um dos primeiros modelos a adotar o DHT GWM no Brasil será o Haval H6.

Sem Comentários

Insira um Comentário