Clara Carvalho no espetáculo “Condomínio Visniec”

Clara Carvalho no espetáculo “Condomínio Visniec”

A montagem, com varias indicações e prêmios APC, Aplauso Brasil e Cenym, é inspirada em seis monólogos do Teatro Decomposto, de Matéi Visniec. A encenação tem uma atmosfera onírica e surrealista e adota como referências visuais os quadros de Edvard Munch e René Magritte

Considerado um dos principais representantes contemporâneos do Teatro do Absurdo, a obra do dramaturgo romeno Matéi Visniec inspira Condomínio Visniec que faz temporada no Teatro Aliança Francesa de 12 de agosto a 25 de setembro. As sessões são sempre sextas e sábados, às 20h, e domingos, às 18h. A direção é de Clara Carvalho e o elenco é composto por Ana Clara FischerDimitri Biá, Felipe SouzaMônica RossettoRogério Pércore e Suzana Muniz.

Em 2019, a montagem teve indicação ao Prêmio APCA na categoria de Melhor Direção e em cinco categorias do Prêmio Aplauso Brasil (direção, elenco, luz, figurino, e produção independente). O espetáculo venceu três categorias no Prêmio Cenym 2020 (Melhor Fotografia de Publicidade, Sonoplastia e Execução de Som e Preparação Corporal).

A encenação é resultado de um processo de pesquisa sobre a obra do autor romeno, desenvolvido por Clara Carvalho desde 2015 numa oficina de atores profissionais do Grupo TAPA. Esse núcleo de pesquisa também foi responsável pela criação da peça Máquina Tchekhov, que estreou em 2015 no Instituto Cultural Capobianco e foi indicada aos prêmios APCAShell e Aplauso Brasil.

A montagem é inspirada em seis monólogos de Visniec – O Corredor, O Homem do Cavalo, O Adestrador, O Homem da Maçã, A Louca Tranquila e O Comedor de Carne – reunidos na coletânea de peças O Teatro Decomposto ou O Homem – Lixo. Todos esses personagens de contornos surrealistas que dão nome aos solos são criados na encenação pela figura de uma escritora que escreve compulsivamente. “A figura da escritora surgiu a partir de um dos personagens da coletânea, “O Corredor”. Na trama, é como se ela criasse essas figuras e, ao mesmo tempo, as criaturas também a recriassem”, explica Clara Carvalho.

A partir de um mergulho no conflito interno dessa escritora, surgem em cena criaturas híbridas (meio humanas, meio animais), que povoam a imaginação da autora, gerando esse condomínio. Elas trazem à tona a solidão, os desejos, as angústias, as obsessões, os impulsos predatórios e a busca por uma possível redenção.

“A peça é uma meditação poética sobre a condição humana e a possibilidade de superação dos nossos conflitos, para que possamos derrubar os muros que nos dividem e caminhar em direção a uma sociedade menos predadora, devoradora, agressiva e solitária. A história desemboca em um amanhecer de frente para o mar, depois de uma travessia cheia de paisagens internas turbulentas. Mas esse universo sombrio se dissipa, aponta para a esperança. Visniec é um autor sempre bem-humorado e delicado que tenta abraçar a humanidade e tem enorme compaixão. É o que sempre me encantou na obra dele”, acrescenta a diretora.

Com atmosfera onírica e surrealista, a encenação adota como referências visuais os quadros de alguns pintores, como o expressionista Edvard Munch (1863-1944) e o surrealista belga René Magritte (1898-1967). Além disso, a trilha sonora delicada, criada por Mau Machado especialmente para a peça, tem inspiração na obra do compositor estoniano Arvo Pärt (1935). Os figurinos de Marichilene Artisevskis remetem aos anos de 1950 e também fazem alusão ao universo dos pintores mencionados.

Já o cenário minimalista é composto apenas por uma mesa e uma cadeira, que ganham diferentes significados ao longo da encenação. A iluminação, feita por Wagner Pinto, é responsável por criar essas atmosferas oníricas que representam o universo interno de cada personagem.

Ficha técnica:

Texto: Matéi Visniec. Direção: Clara Carvalho. Elenco: Ana Clara Fischer, Dimitri Biá, Felipe Souza, Mônica Rossetto, Rogério Pércore e Suzana Muniz. Tradução: Luiza Jatobá. Assistente de Direção: Mau Machado. Figurino: Marichilene Artisevskis. Música Original: Mau Machado. Desenho de Luz: Wagner Pinto. Assistente de Iluminação: Carina Tavares. Assessoria de Imprensa: Adriana Balsanelli e Renato Fernandes. Preparação corporal e coro cênico: Mau Machado e Suzana Muniz. Design Gráfico: Mau Machado. Fotos: Ronaldo Gutierrez. Adereços: Luis Carlos Rossi. Costura e Modelagem: Judite Gerônimo de Lima. Costura de Enchimento: Paula Gaston. Alfaiate: Miguel Angel Arua. Envelhecimento: Foquinha Cris. Assistente de Produção: Nando Barbosa. Produção Executiva: Marcela Horta e Nando Medeiros. Direção de Produção: Selene Marinho e Ariel Cannal.

Serviço:

“Condomínio Visniec”

De 12 de agosto a 25 de setembro – Sextas e Sábados, às 20h, e domingos, às 18h.

Local: Teatro Aliança Francesa, Rua General Jardim 182 – Vila Buarque. Ar-condicionado. Informações: (11) 3572-2379

Duração: 55 minutos.

Classificação: 12 anos.

IngressosSexta – R$ 40 (Inteira) e R$ 20 (meia-entrada) / Sábado e Domingo: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia-entrada).

Link de comprahttps://bit.ly/CondominioVISNIEC

www.teatroaliancafrancesa.com.br

 

 

Sem Comentários

Insira um Comentário